14 de dez de 2018

Fui ao chão em pleno centro da cidade

No final da manhã, eu deixei o Zé no dentista e fui pagar uma continha. Ao atravessar a rua, eu tomei um tombo, mas um tombaço... e por sorte, eu estava a menos de  10 passos da casa do meu pai, logo, ao conseguir me levantar, imediatamente eu corri para o prédio e fiquei ali mesmo sentada na escadaria, enquanto aguardava mamãe, que não tardou a aparecer e acabou me emprestando um chinelinho, porque o ocorrido me impediu de ficar com o calçado que estava.

Quando o Zé me ligou, contei rapidamente sobre o ocorrido, ele foi ao meu encontro, eu chorei, depois levantei, sacudi a poeira e dei a volta por cima. Fomos, enfim, do jeito que deu, ao supermercado. Passear pela rua ou pagar a tal continha, não deu.

Em casa, o pé começou a inchar, mas com um sprayzinho aqui, outro ali, eu tô levando a história do jeito que dá e já no aguardo de ficar zerada novamente pra ontem, porque a vida cotidiana não vai esperar, sem contar que ansiedade é o meu sobrenome.

Moral da história: Nunca ouvi dizer de ninguém que tenha torcido o pé e morrido, logo, tá tudo bem. Mas eu fiquei refletindo sobre a possibilidade da minha mãe, por exemplo, atravessar a rua, e num desnivelzinho qualquer, torcer o pé e ir ao chão, como ocorreu comigo. A gente sabe que a terceira idade tende a sofrer os efeitos muito mais! E aí eu me lembrei de um projeto de lei da cidade sobre a questão de faixas em travessia de pedestres que, se saísse do papel, iria beneficiar muito quem transita pela principal via da cidade e evitaria acidentes como esse.

Tão bom seria se a classe política colocasse os eleitores como prioridade, não é mesmo? Que maravilha viver!

Um abração!

11 de dez de 2018

A cor da parede influencia no humor?

A resposta é sim! A cor de um ambiente é capaz de influenciar diretamente nas nossas emoções, haja vista que, em ambiente hospitalar, as paredes são sempre pintadas em cores que variam dos tons pastéis ao branco para trazer mais calma, serenidade e mais leveza ao ambiente, que já é meio pesado. Dá pra imaginar um interior de hospital pintado em vermelho ou preto? Não dá!

Em casa, a mesma coisa acontece! Para ambientes onde se busca a tranquilidade, como o quarto de bebês e crianças, as cores suaves devem ser priorizadas, como o verde água, o rosinha, os tons pastéis...


Não aconselharia mesmo investir na decoração do quarto dos pequenos em tons vibrantes. Há outros ambientes da casa que se adequam mais.


Quarto de criança em tons de preto e amarelo, então, nem pensar!


Sobre o azul clarinho no quartinho dos pequenos, principalmente para os meninos, sim é uma cor válida e traz a calma necessária que o bebezinho precisa ter. No entanto, a cor azul tende a ser melancólica, logo, não é aconselhável mantê-la no quarto de criança a partir dos 3 anos de idade, porque ela pode influenciar o pequeno a um comportamento introspectivo, fechado.


A solução pode ser, com o passar do tempo, o quarto ir adquirindo outros tons de azuis mais fortes ou de  cores neutras, como o bege, marrom, cinza...



Confira também:


9 de dez de 2018

O sol timidamente apareceu

Nós estamos na primavera, época que, em tese, as temperaturas começam a se elevar no aguardo do verão. Mas não em Nova Friburgo, minha terra, que tem feito dias bem frios. Para se ter uma ideia, um amigo postou ainda há pouco que ontem, na parte da noite, os registros mostraram  6ºC na cidade. E eu acredito, porque realmente estava muito frio.

Mas hoje pela manhã o sol deu o ar da graça, que bom! Tirei o moletom pesado, coloquei uma roupinha leve e até dei banho no Vicente Monstro, que estava realmente precisando.

É fato que, com o cair da noite, o tempo vai começar a esfriar novamente, mas pelo menos o domingo trouxe um solzinho bacana para alegrar a gente. Dias cinzas são muito melancólicos.

Fiz um breve registro!


Um abração!

8 de dez de 2018

Kombucha, você sabe o que é?

Kombucha é uma colônia simbiótica de bactérias e leveduras, que são acrescidas de açúcar e cafeína para fermentar a bebida.

As receitas para esta bebida viajaram para a Coréia e o Japão, de lá para a Rússia, e finalmente chegaram à Europa depois da Primeira Guerra Mundial.

Embora os benefícios para a saúde desta bebida não tenham sido oficialmente avaliados como medicamento, muitas pessoas experimentaram efeitos positivos de 1 / 2 xícaras (120-470 ml) por dia. 

Diz-se que é calmante; ajuda na digestão, pois as bactérias permanecem no nosso trato intestinal; aliviam a dor da artrite; melhoram a imunidade e diminuem o colesterol. 

Uma cataplasma de kombucha pode ser aplicada topicamente a feridas como antisséptico.

3 de dez de 2018

Enfeite de mesa chique com garrafas recicladas

Final de ano já chegou e quase todo mundo está com a preocupação de investir o 13º salário na quitação das dívidas e nas compras de natal, não tem jeito.  Pra quem gosta de receber as pessoas em casa para comemorar natal e réveillon, um drama a mais surge: Como decorar a casa, dar aquele toque elegante gastando pouco? Tem como? Sempre tem!

Uma ideia que eu aprecio e considero muito fofa é a reciclagem de garrafas de vidro na decoração, que dão um toque muito charmoso ao ambiente. E o melhor:  Além da garrafa, você só vai precisar do spray para pintá-la, mais nada! Um investimento de baixo custo, que vai resultar numa peça muito elegante.



 Há outras opções também de reciclagem, claro, utilizando a garrafa com o sisal, o tecido, e por aí vai, mas essa ideia do spray é rápida, fica muito bacana e cai bem para as festas de final de ano. Confira como se faz e veja como é fácil!



Uma dica: Passe o spray duas vezes para que fique um acabamento bem bonito!

Lindo, não?

2 de dez de 2018

Domingo é pura nostalgia

Domingo é sempre nostalgia. Eu me lembro do arroz de forno, com frango desfiado, mais salada de maionese, que mamãe fazia. E claro, a Coca-Cola não podia faltar à mesa. Assistia ao Domingo no Parque e o Qual é a Música, do Silvio Santos.

Após o almoço, papai ia tirar um cochilo e lá pelas duas da tarde, ele chamava eu e mamãe para darmos uma volta de carro. O trajeto era quase sempre o mesmo - Saíamos do Paissandu em direção a Conselheiro, contornávamos a pracinha e, às vezes parávamos no Jardinlândia, uma loja de flores e plantas.


Dali seguíamos para o outro extremo da cidade, o bairro Cônego. Era uma delícia.


O som que tocava no toca-fitas podia variar de Gipsy Kings a Rita Lee (sons que eu amava na infância, porque eu sempre fui uma criança um tanto atípica - as minhas músicas eram as de adultos mesmo).



Ao chegar em casa, eu tinha que conferir se o material do colégio estava em dia para o dia seguinte. Se tivesse algo pendente a fazer, esse era o momento. Depois, o banho e a janta, pois logo ia começar Os Trapalhões e depois o Fantástico fechando o dia.



Ah, o domingo!

27 de nov de 2018

A vigilância dos sentidos

Não existe fórmula, nem receita de bolo, de como deve ser o comportamento humano. Se o ser humano viesse com manual de instrução tudo seria mais fácil, não é verdade? Já pensou você pegar o seu manual e descobrir como não se dar mal no amor, como ganhar dinheiro da noite pro dia... bastava ir no capítulo específico e pronto!

Mas a realidade, como sabemos, é bem diferente! A gente colhe aquilo que a gente planta! E até que a gente colha, nós passaremos pelo estágio da semeadura, germinação e por aí vai. Então, se você planta o bem, você vai colher o bem. Se você planta o mal...

Guarde isso: Você só vai se defender daquilo que está verdadeiramente dentro de você!

Não alimentar o que é ruim é condição essencial para que a gente evolua e se afaste do mal! Pensa bem! Se existe o mal lá fora e isso não vibra dentro de você, pode o mundo cair ao seu lado, que você não vai ser atingido,  pelo simples fato de que essa vibração não está em sintonia com você!

Eu vou ser mais clara! Você já viu alguém, ou até passou por isso, de que, quanto mais confusão você arranja na internet, por exemplo, mais confusão volta pra você?! O que você alimenta, você colhe!

E sobre o que você ouve e vê no dia a dia? Como está a vigilância dos seus sentidos?

Aos 4, 5 anos de idade, os pais dão um celular na mão da criança, colocam a criança em frente da TV o dia todo, sem se importarem muito com o tipo de conteúdo que essa criança está absorvendo. A criança vira jovem e passa a consumir os conteúdos da internet, nem sempre os melhores. E os pais continuam 'nem aí' pro filho, pq, afinal, ele está em casa e sob a proteção deles. Aí chega o dia em que esse jovem faz uma besteira, tipo baleia azul, essas coisas; ou se mete com conteúdo de pedofila ou de tráfico de drogas ou mesmo se envolve em um assassinato, e os pais ficam absolutamente surpresos, mas nunca se preocuparam em conferir qual o tipo de conteúdo que o filho consumia durante todo esse tempo!

Ora, uma menina que ouve o dia todo 'rebola até chão, sou cachorrona' e por aí vai, no dia que o namorado lhe der um tapa na cara e a chamar de vagabunda, é possível que ela ache normal, por quê? É simples! É o que ela vivencia o tempo todo, o dia inteiro, então, pra ela, assim como o garotão que vive trancafiado no quarto, na frente do computador, o universo deles caminha dentro da normalidade, quando na verdade, as coisas não estão tão normais assim, entendeu?

Esses exemplos que eu dei fazem parte da vigilância dos sentidos, ou seja, aquilo que você alimenta é o que te norteará. Aquilo que você planta, você colherá!

Se a sua vida não está indo bem, alguma coisa de errada você anda fazendo! Muda a chave!

Buda tem uma frase sensacional (ou pelo menos atribuída a ele): Não existe o bem e o mal, mas sim o conhecimento e a ignorância!

À medida em que a gente toma conhecimento do que é nocivo e a gente se afasta (e isso vale pra coisas, pessoas vícios...), a gente  começa a melhorar e a evoluir!

Tá bem?

Um abração!

25 de nov de 2018

Você faz as suas escolhas e as suas escolhas fazem você

Assim como nós temos que alimentar o nosso corpo físico, para que a gente se mantenha de pé e com saúde, também precisamos alimentar o nosso corpo espiritual, digamos assim, a fim de que a gente possa evoluir espiritualmente. E isso, como eu sempre digo por aqui, independe da sua crença, da sua religião, ou de nenhuma religião, mas da comunhão que todos nós precisamos ter com o universo, luz, Deus, Jeová, como queira. Ou seja, esteja na linha ideológica que estiver, alimente o seu corpo espiritual, evolua.

Quanto mais evoluímos, menos nos afastamos do nosso foco, do nosso equilíbrio. Um exemplo bem simples: Se há alguns anos, você se preocupava em usar tal roupa, tal marca, para usar pra ir à balada, ou então nem ia, com o passar do tempo, quanto mais evoluído (a) você estiver, menos se preocupará com qual roupa você irá pra balada, ou se irá ter vontade de ir pra balada, porque você irá perceber que, para estar ao lado das pessoas que gosta, o que menos importa é o preço da roupa ou o local da moda, mas sim a presença das pessoas queridas em sua vida, seja em qualquer lugar, a qualquer hora.

Gostar das pessoas pelo o que elas têm é mundano, é pequeno. Gostar das pessoas pelo o que elas são é evolução espiritual.

Mas ok, Deus nos deu o livre arbítrio justamente para que nós possamos fazer as nossas próprias escolhas e também para encararmos e resolvermos os nossos próprios problemas.  Então, quando você faz as suas escolhas, as suas escolhas fazem você! Deus não tem nada a ver com isso! Ele colocou o seu destino na sua própria mão pra você dar o seu jeito - e se vai ser bom ou ruim dependerá de você!

E quando a pessoa não liga pra nada disso, fica só no plano da matéria, no mundano e não cuida do lado espiritual, o que acontece? Ué, essa pessoa, que não buscou a evolução, se prendeu à matéria, depois que ela 'parte dessa para o outro plano', vai 'penar' até que ela atinja um estado de consciência para evoluir e sair dessa energia densa, entendeu? A vida continua e o livre arbítrio também!

Deus habita dentro de cada um de nós. Mas cada um de nós traz a liberdade, ou seja, o livre arbítrio,  de deixar essa luz divina se expandir ou não. Tem gente que a bloqueia totalmente. Tem gente que a gente olha e é luz! Isso é por acaso? Não! Há pessoas, como já comentei, que buscam a evolução espiritual e outras que não estão 'nem aí' e, pior, acham que Deus é seu empregado e tem a obrigação de atender a todos os seus anseios! Tenha dó, né, Filó? 

 Reflita sobre esse texto!

Um abração!