12 de dez de 2015

Os filhos do funk continuam surgindo

Até que o vídeo a seguir não trata o tema de forma chocante, embora o assunto em si já seja bastante delicado.  Não é o funk que faz ninguém engravidar. Mas existem os famosos bailes que tocam os proibidões, que incentivam o sexo livre e, portanto, não podem ser ignorados.

 Uma coisa é gostar de funk. Quem não se lembra dos ritmos do Steve B, que bombaram durante décadas? Quem não curte a Anitta, a Tati do cabelinho azul, e tantos outros por aí? Expressão artística é uma coisa. Sacanagem é outra. Precisamos tirar a máscara da hipocrisia!

Vários meios de comunicação já fizeram matérias a respeito dos filhos do funk, ou seja, crianças que são feitas em meio aos  bailes, sem qualquer pudor, sem qualquer proteção. Isso pra não dizer dos entorpecentes que também rolam solto.

Uma pesquisa feita pela Folha de São Paulo mostrou que 3.473 meninas, com idade entre 10 e 14 anos, engravidaram em 2013. Dessas, 347 ficaram grávidas em um baile ─ quase um caso por dia.

Em uma única noite, as garotas chegam a ter relação sexual com até dez parceiros. A prática é favorecida pelo chamado "trenzinho do sexo", em que as jovens ficam enfileiradas e revezando os parceiros.

É fato que tal situação é preocupante, não só pelo fato da gravidez indesejada, bem como pela falta de autopreservação. Sexo com 10, 12, não pode gerar doenças? Aids, por exemplo, se pega no ar? Claro que não!

E aí a bola de neve vai crescendo. A jovem de 12 anos que engravidou no baile, e não sabe quem é o pai da criança, muitas vezes pertence a uma família totalmente desestruturada, que vai ficar mais desestruturada ainda quando essa jovem, aos 24 anos, vir a sua prole seguindo seus passos.

A ausência do Estado contribui bastante para esse quadro caótico, claro, pois onde não se tem educação, saúde, saneamento etc etc, o caos se instala. E talvez até essa seja a ideia para que o assistencialismo entre em cena.

Enfim, em pleno século XXI, muitas mulheres ainda não se valorizam se deixam transformar em coisas. É uma pena!

Um abração!

Nenhum comentário:

Postar um comentário