26 de jun de 2013

Greta Garbo,símbolo da elegância dos anos 30

A sueca, nascida em 1905, Greta Lovisa Gustafson, ou simplesmente, Greta Garbo foi eleita pelo Instituto Americano de Cinema como a 5ª maior lenda da história da sétima arte, apesar de sua carreira meteórica. Uma Diva dos anos 30, com certeza.

Greta Garbo começou a trabalhar muito cedo. Após a morte do seu pai, largou o colégio aos 14 anos e começou a trabalhar numa barbearia.

A sua projeção começou aos 20 anos quando começou a fazer filmes publicitários, ainda em Estocolmo, para lojas de departamento e mais adiante, para produtos de padaria da Associação Cooperativa dos Consumidores de Estocolmo.

Durante dois anos (1922 - 1924), Greta Gustafson estudou arte dramática na Academia Real de Teatro Dramático (Kungliga Dramatiska Teatern), quando foi descoberta pelo diretor finlandês Mauritz Stiller (1883 - 1928), que a partir de então passou a desempenhar a função de segundo pai para a jovem Greta. Apesar de todas as parcerias que ambos tencionavam fazer, Greta e Stiller só fizeram um único filme juntos: A Lenda de Gösta Berling 1924.

Stiller levou Greta para filmar na Alemanha. Lá, ela chamou a atenção do expressionista alemão Georg Wilhelm Pabst (1865 -1967), que a convidou a participar do seu próximo filme, A Rua das Lágrimas 1925.

Louis B. Mayer (1885 - 1957), poderoso magnata do cinema que comandava a MGM na época, ficou encantado com a performance da jovem atriz sueca no filme A Lenda de Gösta Berling, e ofereceu a ela e ao seu mentor, Mauritz Stiller, um contrato para irem trabalhar em Hollywood.

Foi por volta de 1924 que Greta Gustafson se transformou em Greta Garbo.

Em 1925 Garbo e Stiller foram juntos para Hollywood contratados por Mayer, da MGM. Mas o sucesso não foi imediato, pois uma das dificuldades de Garbo era o idioma. Outro motivo da demora da estréia de Garbo em Hollywood foi sua aparência: ninguém queria saber de dar uma oportunidade para "uma gorduchinha sueca sem retoque", com uma sombra de queixo duplo, cabelos crespos e quase dentuça (dá para imaginar?). Em 1927, após uma reapaginada, Greta Garbo passou de uma garota comum para se tornar uma bela mulher. Mas ainda assim, o sucesso e Garbo ainda não haviam se encontrado. Até que a MGM tomou conhecimento da 'nova jovem' repaginada e a ofereceu um contrato. A atriz ajudou a popularizar a estética dramática de sobrancelhas finas e arqueadas, pele branca e batom vermelho escuro.

Seu primeiro filme Os Proscritos (1926) hipnotizou o público, os críticos e a própria MGM. Garbo protagonizou quase duas décadas de apoteose artística e comercial. A maneira completamente diferente com que Garbo utilizava o corpo em suas interpretações foi o que cativou o público norte-americano.

Em 1932, com a renovação de seu contrato com a MGM, Garbo já tinha o direito de determinar praticamente toda a programação, aprovar o protagonista dentre quatro nomes de atores e dois de diretores propostos pelo estúdio. Apesar disso, ela raramente usou esse poder ao longo de sua carreira

Um de seus maiores triunfos foi o filme Grande Hotel (1932), no qual ela fala a famosa frase que a marcou pelo resto de sua vida: "I want to be alone". O filme, inclusive, ganhou o Oscar de melhor filme, neste mesmo ano. Outro filme de bastante sucesso foi Dama das Camélias (1936), que lhe rendeu a indicação ao Oscar de melhor atriz.



Garbo também amargou fracasso de bilheteria, como o filme Duas Vezes Meu (1942). Muitos atribuem o fim de sua carreira a esse filme, mas outros contestam que foi a Segunda grande Guerra Mundial que a fez 'dar um tempo'.  

Com tamanho prestígio que ainda possuía, Garbo foi convidada a retornar às telonas nas décadas de 40 e até 50. Mas como o tempo passa para todos, a indústria acabou apostando em novos nomes que despontavam, como Marilyn Monroe, e Garbo acabou mesmo no descrédito, sem fazer filmes e rompendo contrato com a MGM.  

Greta Garbo era uma mulher muito reservada. Se concedeu 10 ou 15 entrevistas em toda a sua carreira foi muito. Nunca se casou ou teve filhos.  

À medida que a velhice chegava (aliada ao insistente hábito de fumar, que tinha desde os 12 anos), o organismo de Greta Garbo ia ficando cada vez mais frágil. O último sucesso na eterna luta de Garbo por privacidade foi manter a imprensa no escuro acerca de suas doenças.

Quatro dias depois de ser internada no New York Hospital, na rua 66, por causa de uma pneumonia, Greta Lovisa Gustafson morreu às 11h30 da manhã do dia 15 de abril de 1990, domingo de Páscoa. Cinco dias depois, era cinzas, e o lugar em que estavam as cinzas ficou em segredo durante algum tempo, até serem transferidas definitivamente para Estocolmo, onde foram depositadas no cemitério Skogskyrkogården.

Com informações da Wikipedia

Confira também:

Louise Brooks. Diva dos 20, que ditou moda

Nenhum comentário:

Postar um comentário