25 de ago de 2010

O Rio de Gabeira


Eu me decidi! Vou votar no Gabeira para o governo do Estado do RJ! E o que me levou a tal decisão, relato a seguir:

O governador Cabral, indiscutivelmente, é um apaixonado pelo Rio. Mas vejo essa paixão, muito mais direcionada do Leme ao Leblon, zona sul, do que à zona norte e ao Estado do RJ. Alguém me corrige?

Se observamos bem, a zona sul tem muito mais atenção. Ok, cartão de visitas para o mundo. Mas quem vive a realidade, o dia-a-dia, da cidade e do Estado do RJ, não pode ser esquecido, pois somos nós que proporcionamos a projeção do RJ, através dos nossos impostos.

2ª questão: Cabral promete, promete, promete, mas é difícil vermos a concretização das promessas. Um exemplo bem simples: em 2007, em visita a Nova Friburgo, o governador prometeu a Estrada do Contorno. De lá para cá, das inúmeras vezes que desceu do seu helicóptero em terras friburguenses, tal promessa se reafirmou mais algumas vezes, com datas definidas para o início ao projeto, mas até hoje...NADA! Sem contar outros tantos, tais como: a delegacia legal, a delegacia de atendimento à mulher etc etc.

Bem, eu penso o seguinte: um candidato me pede o voto. Se eu como cidadã, como eleitora, ouço apenas promessas, vale a pena votar novamente nesse candidato, se ele não conseguiu cumprir, primeiro, a sua 1ª plataforma eleitoral? Não seria um bônus, não seria avalisar que só as promessas estão ok? Eu prefiro que esse candidato descanse quatro anos para reavaliar seus conceitos, do que continuar favorecendo-o à faltar com a verdade.

Se eu te peço um dinheiro emprestado, meu caro leitor, prometendo te pagar no mês seguinte, e não o faço, você irá me emprestar dinheiro novamente? Creio que não, até que, pelo menos, eu salde a minha 1ª dívida. E por enquanto, Cabral está em débito com o Estado do RJ.

3ª questão: Cabral, amplamente, divulga o seu bom relacionamento e acessibilidade ao presidente Lula. Por que não usou toda essa influência no momento em que os royalties do petróleo estavam sendo "rifados" a todo o país? Vale lembrar que essa divisão beneficiará a todos (muito bacana), mas quem ficará com o ônus dos impactos ambientais causados ao Estado? Só mesmo o Estado.

Foi lamentável constatar que Cabral, praticamente, passou em brancas nuvens nesse episódio, enquanto até políticos de outros estados se manifestaram contra a divisão dos royalties do RJ.

UPPs. Sensacional! Aprovo e aplaudo a iniciativa do governador. Ressalto apenas um "detalhe". Enquanto Cabral prepara a "limpa" nos morros do Rio, a bandidagem migra para as Regiões metropolitana e serrana. Só que os efetivos estão sendo deslocados para a zona sul do RJ. E o restante do Estado, não carece de segurança?

Os escândalos que envolvem o escritório da esposa de Cabral, que "coincidentemente" defende interesses contra o Estado do RJ, não parece algo absurdo? Sim, a SuperVia, por exemplo, que está sucateada, superlotada e ganhou mais 25 anos de concessão é cliente do escritório da esposa de Cabral, tal qual a Metrô Rio. E por que só os jornais de São Paulo dão essas notas e os veículos de mídia do Rio, não? Transparência acima de tudo!

UPA. Segundo Cabral, modelo de 1º Mundo. Mas quando ele precisou operar o joelho dia desses, 1º mundo mesmo foi o Copa D'or. Demagogia da minha parte? Não. Entendo que o discurso tem que casar com a prática. E sabedor da ausência de médicos, medicamentos e recursos nas UPAs, que inclusive são alugadas a peso de ouro (só os módulos), Cabral preferiu não trocar o certo pelo duvidoso e se internou mesmo no Copa D'or.

Enfim, creio ter embasado a minha justificativa pela opção de não votar no Cabral. Eu vou dar o crédito ao Gabeira, até porque, ele vem com um vice, com ampla experiência em gestão pública.

Vou nessa! Vou pelo Rio de Gabeira, 43. Vamos ver no que vai dar! O importante é não ter receio de arriscar, sempre na tentativa do acerto!

Nenhum comentário:

Postar um comentário