12 de jun de 2018

Pensamentos, bons, coisas boas, tudo de bom!

Se na física os opostos se atraem, no campo astral, o que acontece é semelhante atrair semelhante. Aliás, para quem acompanha o blog há algum tempo, certamente já teve a oportunidade de ler a respeito, quando eu comentei sobre almas gêmeas. Em um breve resuminho, não tem essa do casal ser - um água e o outro vinho - ou os dois são água ou os dois são vinho. Pessoas que têm pensamentos muito diferentes não tendem a ficar juntas, porque viver a dois, antes de mais nada é cumplicidade, é o olhar na mesma direção.

Algo que também já comentei por aqui algumas vezes é sobre a importância de preservar o seu lar. Não é qualquer pessoa que deva entrar na sua casa. Para um bate- papo informal, um cafezinho ou uma pizza há inúmeros lugares - um shopping, uma cafeteria, uma lanchonete... Pra dentro de casa, só mesmo quem a gente quer por perto, quem a gente gosta muito, e olhe lá! Você não sabe qual é a energia de quem está entrando em sua casa, mas certamente, a energia que ela deixar - boa ou ruim - vai ficar dentro do seu ambiente por um bom tempo, e você vai sentir.

Antes de prosseguir, eu faço questão de ressaltar que eu não estou aqui tratando de religião, quem sou eu, mas de energia, do que a gente não vê, mas sabemos que existe, assim como a eletricidade, que a gente não vê, mas sabemos que ela está ali no buraquinho da tomada. Ou você nunca chegou perto de alguém e teve uma sensação horrorosa ou de repulsa ou algo que não bateu bem? Isso acontece! E não tem nada a ver com religião, mas com energia!

E nessa premissa de que nós atraímos pra gente aquilo com o qual estamos em sintonia, assim como não devemos deixar entrar qualquer pessoa em nossa casa, também não é legal que a gente leve para o nosso lar situações e pensamentos negativos.

Sabe aquela pessoa que você encontra na rua e pergunta como ela vai, por educação, e a pessoa começa a enumerar os problemas pelos quais está passando? Pois é, a gente já olha pros lados tentando arranjar um meio de sair daquela conversa rapidinho, quem nunca, né? Mas o pior de tudo é quando a gente se deixa envolver pela conversa e, pior, levamos todo o drama daquela pessoa pra casa. Ou seja, nós não devemos levar pra casa as situações negativas da rua, porque a gente não quer o nosso ambiente poluído, pelo contrário, em casa, a gente recarrega as baterias para enfrentarmos esse mundão tenso lá fora!

Muitas vezes, a gente cria hábitos ruins, que vão acabar refletindo no ambiente, até então, harmônico da nossa casa. Por exemplo: Se você liga a TV e está passando aqueles programas de tiroteio, bala perdida, briga de vizinhos etc, você vê a matéria X e depois vai fazer qualquer coisa, muda de canal e não se envolve, ok. Agora, se você é uma pessoa que todos os dias liga a TV no final da tarde para ver tiro, porrada e bomba, é porque você se identifica com isso. E se você se identifica, você se assemelha a esse tipo de energia densa, digamos assim, e começa a ter um monte de neuras, seu lar começa a se desarmonizar, em função desse baixo astral que você está atraindo pra dentro da sua casa, desnecessariamente.

Uma grande verdade da vida é que o mal é mais rápido do que o bem. Pra pegar uma uruca, a gente leva segundos; pra pegar uma benção, às vezes levamos um tempão. Então, a gente tem que ir desviando, no dia a dia, daquilo que consideramos nocivo, para que a gente não se contamine e nem que a casa da gente se polua também.

Quando a gente muda (pro bem ou pro mal), o mundo ao nosso redor nos acompanha. Que sejam mudanças, então, muito para o bem! Faz o teste!

É isso!

Um abração!

Nenhum comentário:

Postar um comentário