12 de jul de 2015

Vá em paz, Fernandinho!

Todas as quartas, ou quintas-feiras, Fabíola passava na minha casa por volta das 15h, ligávamos para o Fernandinho, passávamos em sua casa, e íamos comer uma pizza brotinho numa lanchonete na Avenida Alberto Braune, onde hoje funciona o supermercado Casa Friburgo. Era de lei esse programa semanal. Na época, nós deveríamos ter 12, 13 anos de idade.

Fernandinho era um cara legal, querido por todos. Ele estava sempre sorridente.

Me lembro que na 6ª série, eu me sentava atrás da dele e a gente conversava bastante.

Ao término da 8ª série, eu fui para um lado, Fernandinho foi para outro. As pizzas entre nós 3 (Fabíola, eu e Fernandinho)  deixaram de acontecer.

Anos depois, eu soube que Fernandinho se formou em medicina (wowww!!!). A primeira coisa que me veio à cabeça foi a imagem da sua mãe. Quão orgulhosa ela não deveria estar do seu caçula! Bom, é bem verdade que Fernandinho teve os seus contratempos e conflitos, segundo me disseram. Mas enfim, mundo cor de rosa não existe, não é mesmo? Só em contos de fadas!

A última vez em que nos encontramos foi rapidamente, uma meia paradinha, quando eu saía da fila do supermercado ABC. Sempre simpático, sorriu, perguntou como eu estava e seguiu!

Hoje pela manhã, ao me conectar, recebi a triste notícia de que Fernandinho havia partido tragicamente, vítima de um atropelamento de um ônibus. Que triste, meu Deus! Imaginei como a mãe dele deveria estar! Lembrei daquele sorriso maroto, infantil, por um instante.

Eu fiz a minha oração e acendi uma velinha em sua intenção e também para Deus confortar o coração de sua mãe!

Vá em paz, Fernandinho!

Um comentário:

  1. E todos nós estaremos sendo lembrados no grande dia em que Deus nos promete de que ressucitara a humanidade.Quem sabe Fernandinho possa estar dentre àqueles que fara parte deste grande dia. Somos filhos de um Pai amoroso e misericordioso.
    Beijio
    Nicinha

    ResponderExcluir