15 de jan de 2014

Fisiognomonia: A testa

O rosto exterioriza aquilo que temos internamente. O começo de tudo foi na Índia, quando os médicos começaram a estudar as rugas, suas causas e suas origens. Mais tarde, os chineses, sempre observadores, levaram a técnica para a sua terra e adaptaram o estudo à medicina chinesa. Os chineses faziam diagnósticos médicos apenas olhando para a pessoa. Sabiam sobre seus costumes, personalidade, hábitos, pois tudo estava traçado em seus rostos. E assim nasceu a fisiognomonia, que é a leitura do rosto e do corpo.

Na leitura, o rosto expressa a maior parte das características do indivíduo. Já o contorno do corpo  expressa a forma com a qual ele se comporta. Juntando as duas coisas, a leitura fica perfeita.

O assunto parece complexo e, na verdade, é. Por isso não dei continuidade ao tema quando o trouxe pela primeira vez ao blog, por não estar segura sobre o que eu estava tentando passar. E sem estar bem certa do tema, como me fazer entender, não é mesmo? Reconheço sem problemas.

Mas voltando ao assunto, vamos começar pelo rosto, que se divide em 3 partes:


A 1ª parte compreende a testa;
a 2ª vai das sobrancelhas ao nariz e
a 3ª começa a partir do nariz e vai até o queixo.

Para entendermos melhor sobre as 3 áreas, eu fiz o desenho de um rosto, já pedindo desculpas pelo mesmo, que você também pode fazer aí na sua casa.


Repare agora no acréscimo que fiz , e você também já pode acrescentar: um círculo na testa (que poderíamos chamar de ponto da 3ª visão, muito famoso entre os holísticos) e dois traços ao lado da boca, simbolizando aquele bigodinho chinês, que boa parte da mulherada tem verdadeiro horror.  Mas é bom saber que ele faz parte, ok?
Após o acréscimo, você consegue visualizar um bonequinho? Perceba: o círculo, representando a cabeça;  as sobrancelhas representando os braços; o nariz, representando o tronco; e o bigodinho chinês, as pernas. 

Tendo a visão desse bonequinho em mente, torna-se mais fácil entendermos as 3 divisões do rosto, conforme a 1ª imagem:

Ou seja, na testa, onde fica a cabeça do bonequinho, nós temos a área do pensamento, da inteligência, da capacidade mental.

Quanto mais larga a testa, mais capacidade de armazenamento há, ou seja, denota-se pessoa boa de recordações e elaborações de ideias.

A testa larga também denota pessoa de mente aberta, o que significa que é alguém que aceita bem as ideias das outras pessoas e se entusiasma com facilidade.

A testa estreita, ao contrário da testa larga, denota pessoa analítica, específica, não aberta a novas ideias, ou ao confronto de ideias. Ela é focada. E por isso, pelo 'estreito espaço', a pessoa não gosta muito de dividir o seu espaço, encontra dificuldades em se relacionar de forma mais profunda.


Testa alta. Vamos fazer uma associação aqui de alta, como cabeça nas nuvens, nas alturas. Assim é a pessoa de testa alta. Pessoa ligada à espiritualidade, ao filosófico, de ideias mais elevadas, portanto, pessoa bastante compreensiva. Agora, também é alguém que quando coloca uma coisa na cabeça, dá-lhe teimosia!

Testa baixa é característica da pessoa materialista, que busca o concreto, de objetivos precisos. Possui grande capacidade de empreendedorismo.





E aí, qual o seu tipo de testa? A minha é o tipo alta!

Um abração!

Um comentário: