18 de mar de 2017

Eu me ajudo, tu te ajudas, nós nos ajudamos

Já dizia o velho ditado: “Muito ajuda quem não atrapalha!”. A verdadeira ajuda, aquela que vem do coração, só é positiva quando produz resultados. Até aí, eu não contei nenhuma novidade, eu sei, mas ainda assim vale o convite à reflexão: A verdadeira ajuda só é positiva quando produz resultados.

E quando a ajuda é verdadeira, de coração, mas não produz  resultados? Bom, você pode ter a maior boa vontade do mundo em querer ajudar uma pessoa querida, mas ela pode não estar preparada para receber  tal ajuda, porque as pessoas amadurecem em níveis diferentes. Cada um tem o seu tempo de entendimento da vida, concorda comigo?

A grande ajuda também pode vir do silêncio.  Às vezes, a pessoa está tão atormentada com os seus problemas, que uma criatura a mais falando no seu ouvido torna-se completamente desnecessário.  Ah, Monique, mas é minha amiga, mas ela vai se afundar; mas ela está pagando mico... E daí, o que você tem a ver com isso? Te chamaram na conversa? Não! Então, vai se meter pra quê? Olha, se eu tivesse ficado quieta no meu canto inúmeras vezes em que eu não fui chamada nas conversas, eu teria ganhado muito mais. Hoje, quando me perguntam alguma coisa, eu respondo; quando não me pedem palpite,  eu me policio ao máximo, mas não emito um som, e fim de papo.

Eu devo a mim a obrigação de ser a minha melhor amiga, de me dar os melhores conselhos, buscando o entendimento das coisas, pesquisando sobre a natureza dos fatos.  Eu não dispenso  conselhos. Eu filtro.  Muitos ‘toques’ que me deram nas redes sociais, inclusive, me fizeram ampliar o entendimento sobre diversas situações, pensar mais sobre determinados temas... É verdade, não é conversa, não! Uma coisa que eu aprendi, por exemplo, foi que, não adianta a gente viver o tempo todo, confortavelmente, num núcleo onde todo mundo pensa parecido. Quando a gente amplia o nosso leque e começamos a ouvir posicionamentos completamente diferentes daquilo que compactuamos,  a gente cresce, a gente evolui, porque nos permitimos pensar ‘fora da caixinha’. Ninguém é obrigado a mudar de opinião, mas pode ampliar os conhecimentos, o que se torna muito favorável.

A gente pode produzir bons resultados na vida das pessoas à medida em que damos a elas exatamente aquilo que elas nos dão. Quando alguém está receptivo a um conselho, geralmente, te pergunta mesmo, expõe o seu ponto de vista e pergunta o que você pensa a respeito, pelo simples fato de que a sua opinião tem valor (ainda que possa não seguir o conselho, mas o levará em consideração) e sempre recorrerá a você para uma palavra amiga. Agora, não sendo desse jeito, gaste seu tempo com você, se ajudando, que o lucro é bem maior, tá bem?

É isso!

Um abração!

Nenhum comentário:

Postar um comentário