10 de ago de 2016

Naturalmente elegante

Muitas vezes as pessoas recorrem às aulas de boas maneiras, aprendem técnicas de etiqueta social a fim de parecerem mais 'finas', mais elegantes. Ok, aprender nunca é demais. Eu adoro aprender. Mas é aquela velha história: Não adianta parecer ser uma pessoa elegante, é preciso, antes de mais nada, ser elegante. E como sabemos, a elegância nada tem a ver com ter dinheiro, mas sim, com ter educação.

Coco Chanel, em um de seus célebres pensamentos, disse: Não importa o lugar de onde você vem. O que importa é o que você é. E quem você é? Você sabe?” 

Ninguém está fadado a seguir os passos do meio onde vive, a não ser que, verdadeiramente, queira segui-los. Ninguém precisa justificar seus erros, em face do meio em que vive. A construção do que somos é feita por nós mesmos. Portanto, dentro do quesito elegância, o que vale, em primeiro plano, é ser natural e, em seguida, ser original. Tem coisa pior do que aquelas pessoas que tentam ser o que não são? Não ficam fakes demais? Pois é!

Não saber de qual lado do prato fica um talher, não é problema, isso se aprende. Problema é prejudicar os outros, fazer fofoca da vida alheia, maltratar um animal. E nesses casos, nem toda aula de etiqueta do mundo será capaz de ajeitar a falha de caráter. 

Então, não se preocupe em parecer ser algo que você não é. Seja você. Nós não precisamos impressionar ninguém para nos tornarmos alguém. Nós podemos, sim, impressionar as pessoas positivamente pelas nossas atitudes, gestos, pela discrição com que lidamos com várias situações e pessoas no nosso dia a dia. Isso é ser, verdadeiramente, elegante!

Um abração!

Nenhum comentário:

Postar um comentário