26 de jul de 2015

O sofrimento é parte da nossa ignorância

O sofrimento é parte da nossa ignorância. À medida em que vamos adquirindo conhecimento, menos tendemos a sofrer.  Por exemplo: A morte é um processo natural da vida. Todos nós vamos morrer um dia! E quando a gente toma consciência da finitude da vida, a nossa tendência a sofrer, ao perder um ente querido, é menor do que viver na ilusão de que o ser humano é eterno.  Isso pode parecer até meio chocante, mas é o real, é o que a vida nos apresenta, que somos todos finitos!

Quanto mais a gente se prepara a vida, menor é a tendência de sofrermos com os desafios que nos são lançados diariamente.

Mas é bem verdade que aprender errado é bem pior do que ignorar certas coisas, como no caso de viver no ‘deveria’, ‘poderia’, no campo da ilusão e não da realidade.  A ilusão é algo imaginário, é algo da nossa cabeça, portanto, não existe. O real, não! O real é fato, é o que é, e não o que deveria  ser!

Durante a vida a gente se dá mal por acreditar na ilusão, por apostar no achismo, enquanto a realidade, muitas vezes, está ali bem na frente, bem na nossa cara. E o final da história a gente já sabe: Ninguém pode viver de ilusão a vida inteira. Um dia a realidade se manifesta. E salve-se quem puder! (E geralmente quem se salva é quem está no real!)

Uma coisa é ir em busca dos sonhos.  Outro dia saiu na grande mídia a história do menino, cuja mãe pegava livros no lixão para ele estudar. E  o rapaz passou para a faculdade federal de medicina, lá do nordeste.  Ele sonhou, ele buscou e está alcançando, ou seja, está materializando o sonho, tornando-o real.  O que seria muito diferente se esse menino apenas ficasse na ilusão de que aparecesse um padrinho rico para bancar-lhe os estudos até a faculdade. Eis a diferença! Entre a ilusão e o real, ele buscou o real!

Tem mulher que passa a vida inteira  idealizando o príncipe encantando, mas só arruma sapos pra sua vida. E isso se dá porque a criatura monta um personagem na cabeça e acredita piamente que a pessoa que está ao seu lado condiz com tal ilusão. Com o passar do tempo, a ilusão vai dando lugar ao real e aí vem a desilusão.

E quanto aos rebeldes sem causa, o que podemos dizer? Tem jovem que sofre porque não tem uma calça nova, um celular novo, um tablet. Esse é o futuro adulto problemático, que o dia em que a vida disser ‘não’, ele vai pirar, simplesmente porque acredita que, se os pais sempre fizeram todas as suas vontades, o mundo também tem que fazer. E a gente sabe que a banda não toca assim!

A gente sempre paga um preço muito mais alto por viver na ilusão, do que viver na realidade. A princípio pode não parecer, mas no final das contas, ter os pés no chão é sempre a melhor opção. 

Busque conhecimento e viva sempre no real.!

Um abração!

Nenhum comentário:

Postar um comentário