10 de mar de 2013

O deputado que presidirá a Comissão dos Direitos Humanos

Desde que foi anunciado que o polêmico Pastor Feliciano irá presidir a Comissão de Direitos Humanos, mesmo tendo se mostrado racista e homofóbico, não se fala em outra coisa nas redes sociais. Eu mesma já dei a minha opinião, mas por se tratar de um assunto muito sério resolvi trazê-lo ao blog também.

A intolerância talvez seja o grande mal do século. Aquela história de 'o seu direito termina, quando começa o do outro' vem caindo por terra há muito tempo. Hoje em dia, se o sujeito entender que está 'dentro do seu direito', ele sai atropelando tudo e todos, tal qual o deputado federal, Pastor Feliciano, que foi eleito o Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

Em primeiro lugar, não se pode culpar os evangélicos pela declaração de uma única pessoa, que poderia pertencer a qualquer religião. Os comentários feitos pelo deputado e registrados em redes sociais, pertencem a ele. É importante que não se crie a política do ódio em cima de uma só figura que se coloca como representante de uma ideologia.

Se esse senhor se coloca como representante de Deus, o primeiro erro crasso já começa aí. A palavra religião significa religar a Deus. Deus não é ódio, não é preconceito. Diz o primeiro mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas, e o segundo mandamento completa: e ao próximo, como a ti mesmo! Isso é se conectar a Deus, no meu entendimento!

O segundo erro crasso: A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, criada em 1995, tem o  papel de atuar na defesa dos direitos humanos, das minorias, combater a discriminação, preservar e proteger as culturas étnicas desse país, dentre outras atribuições. E o que dizer das declarações do deputado?

O deputado, ao ser eleito presidente de tal comissão, pediu um voto de confiança e disse que vai mostrar que não é homofóbico ou racista. Será? Será que realmente ele irá se redimir perante aos brasileiros, combatendo manifestações que ele mesmo, por sua conta e risco, postou em redes sociais? Que eu tenha notícia, ele ainda não se desculpou pelas suas declarações (ainda que possa não ser desculpado).

O terceiro erro crasso: O seu partido, o PSC, ainda não ter se manifestado.

E por fim, mais um erro crasso poderá ser cometido: A sua reeleição! Alô, povo querido de São Paulo, não reeleger um político que nos desapontou é a melhor forma de puni-lo e levá-lo à reflexão. Ele é representante do Estado.

Mas enquanto 2014 não chega, está disponível na internet um abaixo-assinado solcitando a saída do pastor Feliciano da presidência da Comissão de Direitos Humanos. A quem possa interessar, clique aqui para assinar!

E parafraseando Marília Gabriela, Pator Feliciano, que o meu Deus, que eu não sei se é o mesmo que o seu, tenha compaixão da sua pessoa!

2 comentários:

  1. Amada Monique, gosto muito quando você faz postagens em assuntos que nos fazem pensar um pouquinho mais; na verdade o titulo é importante e no decorrer da leitura vemos que não existe direito nenhum ou algum que faça prevalecer a felicidade do ser humano, que na verdade está mais para Seres Desumanos.
    No texto biblico é bem claro que devemos amar nosso semelhante e este é o segundo mandamento pois o primeiro é amar a Deus acima de todas as coisas; portanto se eu ou você ou todos esses que se dizem CORRETOS não colocarem em pratica esses dois mandamentos com certeza não será como representante que se dará bem.
    Abraço fraterno

    ResponderExcluir
  2. Oi Nicinha, muita gente acabou criticando essa ou aquela religião. Não vamos punir uma gama da população, que tem a sua fé em Deus, por causa de um infeliz desses, né não?
    Bjs.

    ResponderExcluir