28 de mar de 2013

Avareza

Eu estava vendo um programa sobre pessoas avarentas, cheguei a comentar em rede social e, claro, não ir perder a oportunidade de trazer o tema aqui para o blog.

A avareza, à luz da religião, é um dos 7 pecados capitais. À luz da ciência, uma patologia. Em ambas, a tradução é a mesma - medo excessivo de perder alguma coisa; ganância; atribuição à pessoa que não se desapega de algo, para permitir que o novo venha para si; apego excessivo ao material.

É claro que é sensato a pessoa ser controlada, econômica etc e tal, mas ser alguém apegado excessivamente ao dinheiro, aos bens materiais, enfim, às coisas, trata-se de um problema muito sério, porque tanto sofre o avarento, quanto às pessoas que o rodeiam, mas principalmente o avarento, mesmo ele não se dando conta disso.

Nós devemos dar valor a tudo o que conquistamos ou  mesmo ao que nos foi ofertado. É triste quando vemos o desperdício. Mas dar valor a alguma coisa não é se deixar escravizar por ela.

Você se lembra daquele edifício, no Rio de Janeiro, o Palace II, que veio abaixo, pelo fato do material que foi utilizado para a construção do prédio ter sido de péssima qualidade? Essa tragédia, cujo responsável foi o empresário e ex-deputado, Sérgio Naya, acabou com o sonho de várias famílias, tudo por conta da ganância do empresário. Qual foi a moral da história? Morreu em 2009, não tinha filhos, não tinha para quem deixar os seus bens (que não estavam bloqueados) e se alguém da família herdou alguma coisa dele deve estar fazendo bom proveito às suas custas! Ele levou alguma coisa para o outro mundo?

Da vida, a gente não vai levar absolutamente nada! Já conheci pessoas 'agarradas' a carros, a bibelôs, enfim, a coisas que são muito pequenas diante da vida. Carro, por exemplo, foi feito para andar. Se a pessoa não deixa alguém entrar em seu veículo com o pé sujo, porque vai sujar o tapete, se não vai visitar um amigo, porque o acesso à casa dele é de estrada de chão, ora, para quê ter um carro, então? O carro foi feito para servir ao homem e não o homem para servir ao carro!

O que dizer de uma pessoa que deixa de ir a uma lanchonete, a um restaurante com os amigos, para não gastar dinheiro? Poxa, que higiene mental essa pessoa deixará de fazer, não é mesmo?

E por fim, e não menos importante, há uma lei divina sobre o apego: Quer perder alguma coisa (ou alguém)? Apegue-se a ela!

Economia, sim! Avareza, jamais!

Um abração!

Um comentário:

  1. Minha linda, que postagem significante para os atuais dias;
    Jesus disse que deverimos guardar riquezas espirituais,pois as riquezas materiais não entram em seu Reino.
    Mas o que será riquezas espirituais?
    humildade, amar a Deus acima de qualquer outra coisa, amar o seu próximo como a si mesmo; as demais riquezas são simples de encher nosso baú figurativo: além da humildade que já citei, não matar, não adulterar, cuidar de nosso corpo que é um santuário, cuidar de nossas crianças...
    Enfim são aquelas situações que com certeza nos edificam a ser melhor a cada dia.
    Sem avareza espiritual, isso sim é mais importante.
    Grande beijo.
    Como vc está?
    Nicinha

    ResponderExcluir